Páginas

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Registro: Torneio Interno Julho/2017

Prezados Torcedores Responsáveis,

Seguem abaixo os resultados, fotos e comentários do nosso sensacional Torneio Interno de Julho/2017! As primeiras fotos estão em nosso álbum, no link abaixo (que ainda vai receber mais fotos!):


[Ga-ve-ta!]

Categoria 11 a 13 anos (Capitães com*):

CampeãoCeifadores [Bernardo Pessoa*, Antonio Lacombe, Pedro Pereira, Vicente Flaksman, Vicente Lisboa, Antonio Gonçalves]


Vice-CampeãoFutebol Arte [Mathias Sussekind*, Gustavo Portela, J. Victor  Costa, Gustavo Marcolino, Gustavo Havas, Joca]



3o LugarAmarelo [Matheus Arantes*, Bernardo Pimentel, Lucas Mendes, J. Vitor Paraíso, Théo]



4o LugarLuverdense [Antoino Salomone*, Fred, Fafá, Gabriel Arcalji, Thiago Bacellar]



5o LugarBarney FC [J. Victor Terra*, Murilo, Vinícius Pagani, Felipe Cukier, Lucca.]



6o Lugar: Carvão Futebol Arte [Hugo*, Luizinho, Rafael Protásio, Dante, Antonio Nery.]



*Premiação Especial (a cor corresponde à equipe):

Craque: Gustavo Portela
Artilheiro: Bernardo Pessoa


[Raça é isso aí!]

Melhor Goleiro: Antonio Lacombe
Medalha Raça: Antonio Nery (Tom)

***
[Chutebol de Pais: quem premiou eles foi a molecada!]

O Chutebol agradece ao apoio das famílias e ao carinho habitual com o projeto. Nesta idade, em especial, é muito bacana poder lembrar de quando estes mesmos jogadores eram mais novinhos - e admirar-se com o percurso e a evolução de cada um! Digo, mais do que a fundamental e legítima vontade de vencer, fica muito marcado para nós a maneira que cada aluno consegue se apropriar de uma maneira de jogar, construindo um estilo e demonstrando uma personalidade dentro do jogo.

Percebemos um amadurecimento muito legal, que precisa da correspondência da arquibancada - que tem correspondido! Como é perder, como é ficar em último, como é tentar e não desistir? Como é ousar para vencer, como é conviver com o erro do juiz e do treinador, como é sustentar o desejo de ser campeão? Estas são questões que, mesmo não sendo temas falados no momento de um torneio de futebol (ainda bem!), flutuam entre as chuteiras, a cabeça e os corações mirins. É preciso estar ali, juntinho, chegar junto!



E, last but not least: o Chutebol de Pais coroou o domingo com uma bela exibição, um empate raçudo em 6 x 6 (com direito a golaços!) e, é claro, muita emoção na entrega de medalhas - dos filhotes aos papais. Vem jogar!!


Aquele abraço, saudações esportivas

5 comentários:

Luiz disse...

Dia 2 de Julho de 2017, domingo, data que será marcante e inesquecível para mim, pois foi exatamente neste dia, que vi o árbitro apitar o término de uma partida de futebol que durou 35 anos para acabar.
Era domingo, ano, 1982, eu como sempre disputava uma competição de futebol, das várias peladas que participei.
Lá estava minha torcida fanática, apaixonada e incentivadora de um único ser. Meu pai!

Aquele cara incorporava meu técnico, fisiologista, nutricionista, preparador físico e de goleiro.
Me cobrava, me incentivava, pois exigia o meu melhor. Nunca exigiu vitória, título, mas sempre cobrou dedicação, companheirismo, cumplicidade, empenho e garra.
Na verdade, usou a bola para me doutrinar e ensinar tais conceitos, para que eu usasse na vida.
Mas quando, aquele indivíduo inesperadamente
"ceifou" o prazer da bola, junto com meu joelho, acabou!

Após tratamentos, exames, tentativas e tentativas de reencontrar a felicidade nas quadras e ou gramados, a solução foi colocar um ponto final já que as dores maltratavam e os compromissos aumentavam.
Mas ficou faltando terminar algo aqui dentro, e a data escolhida foi " 02 de julho de 2017".

Estou nervoso, não quero falhar, apesar de querer passar para minha torcida que o objetivo era a diversão.
Minha torcida!
Naquela época de um único ser, mas que hoje conta com o reforço de mais três.
Tive a oportunidade de entrar em quadra para tentar passar para meus filhos, tudo aquilo que meu pai conseguiu me passar da arquibancada. Mas muito além disso, queria mostrar para meu pai, que os ensinamentos foram aprendidos e estão sendo compartilhados.

Ele está lá, sentado no mesmo lugar de antes, desempenhando o mesmo papel, porém bem mais vivido e cansado, mais jamais desanimado.
Logo logo o apito irá soar e independente do resultado, ja existirá um vencedor, que continuará sentado lá na arquibancada, pois com simplicidade e dedicação, viu seus conceitos serem assimilados .

Quanto às dores nos joelho?
Aprendi a suportar junto com as outras, pois uso a felicidade como analgésico.

Renato disse...

Rodrigo e Tiago, muito obrigado pelo que vivi. Meu filho me entregou uma medalha que há alguns anos atrás tive a alegria de colocar nele. E hoje vê-lo ainda ao meu lado pra mim foi uma emoção muito grande!! Essa medalha vou guardar em lugar especial!!!! Valeu galera do Chutebol over 50!!!!

Estevão disse...

Isto.aqui para mim.nao tem preco...dia.fantastico, obrigado a todos voces

Fernanda disse...

Parabéns pelo evento!Foi muito bom.

Gi disse...

Ver a expressão de prazer e alegria no corpo dele ontem me emocionou . O prazer de jogar , a ansiedade até chegar o dia do torneio , chuteira nova e tudo mais ...
Agradeço com emoção mesmo . Obrigada pelo cuidado e pelo retorno tão carinhoso .