Páginas

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Pra que te quero

As férias oferecem a chance de uma relação um pouco diferente com o tempo.


O tempo da infância não é - ou não deveria ser - o mesmo tempo do tempo adulto. 
O da adolescência, também não.


Na briga infindável na qual nos metemos, entre o tempo cronológico e o tempo subjetivo, as férias ajudam a gente a lembrar (e a viver) o tempo que não é contado no relógio.


Talvez as férias sejam, em si, uma oportunidade para fazer as pazes com o tempo.
Quando, cansados de enfrentá-lo, suplicamos: "Vem jogar no meu time!"

O tempo vira um amigo, um amigo que a gente não vê.

Acho que a gente só vê o tempo quando ele fica fantasiado de adversário.
Estamos sempre de olho.

Por outro lado, perder o controle do tempo é jogar no time dele.
Os adultos destas fotos, que o digam.

Férias, pra que te quero?

Aquele abraço, saudações esportivas